BRASIL E UE DISCUTEM POLÍTICAS MUNDIAIS DE SEGURANÇA

kas_74840-1624-2-30_50A XII Conferência de Segurança Internacional do Forte de Copacabana vai debater possibilidades de cooperação para a segurança internacional e os desafios comuns entre Brasil e União Europeia. O evento acontece no Rio de Janeiro, amanhã (08/10), e reúne altos funcionários do governo, políticos, membros da sociedade civil e acadêmicos. A Conferência é organizada pela Fundação Konrad Adenauer (KAS) – parceira tradicional da EUBrasil -, pelo Centro Brasileiro de Relações Internacionais (CEBRI) e pela Delegação da União Europeia no Brasil.

O painel de abertura vai discutir quais são os valores fundamentais que pautam as políticas mundiais de segurança e como servem para constituir ordem nas relações internacionais; quais valores, princípios e normas a Europa e o Brasil promovem e preservam e por que determinados valores tendem a ter prioridade sobre outros. O moderador será o professor Alfredo Valladão, representando a Associação EUBrasil.

“Num mundo cada vez mais interdependente, fragmentado e perigoso, a cooperação em matéria de segurança e defesa (S&D) entre os Estados e regiões que partilham valores democráticos é uma necessidade vital. A Conferência Anual do Forte Copacabana, lançada há mais de uma década para promover o diálogo entre Europa e América do Sul em matéria de S&D representa, sem dúvida, o foro biregional não-governamental mais importante para promover a compreensão mútua desses problemas e para incentivar ações conjuntas concretas”, disse Valladão.

A abordagem da União Europeia sobre a política mundial de segurança será o tópico do discurso inaugural do qual participará João Gomes Cravinho, embaixador da UE no Brasil. Já a abordagem brasileira nas políticas mundiais de segurança será o tema do painel especial que encerrará a Conferência. O Brasil vai abordar sua posição dentro do sistema internacional, as aspirações brasileiras frente às mudanças em curso na ordem internacional e a maneira como o país pensa sua atuação regional e global no médio e longo prazos.

“A Conferência pretende reunir especialistas de uma ampla gama do setor privado, acadêmicos e governamentais para discutir questões relacionadas à segurança na atualidade, que são de interesse para os parceiros de ambos os lados do Atlântico. Será aberta ao público e este é incentivado a participar ativamente nas discussões”, comentou Gregory Ryan, Coordenador de Projetos de Relações Internacionais.

O programa também incluirá debates sobre o sistema internacional de segurança, as perspectivas para esforços conjuntos globais em políticas de segurança, ameaças regionais à segurança energética e as soluções comuns possíveis.

Para ler a agenda completa, clique aqui. O evento será transmitido ao vivo por meio deste link.