BRASIL-ALEMANHA: COMPROMISSO NA LUTA CONTRA O DESMATAMENTO E MUITOS ACORDOS DE COOPERAÇÃO

Além dos acordos de cooperação, da negociação Mercosul-UE e do momento delicado que as líderes Angela Merkel e Dilma Rousseff enfrentam, a imprensa internacional deu destaque na maioria das matérias publicadas durante a visita da chanceler alemã (dias 19 e 20 de agosto) ao compromisso da Alemanha e do Brasil na redução de gases de efeito estufa. O tema aparece a 100 dias da 21ª Conferência das Partes da Convenção-Marco das Nações Unidas sobre a Mudança Climática (COP-21), que acontecerá em Paris.

image-doc-436qe-data

Foto: Divulgação

Vários acordos de cooperação foram assinados com foco no clima, ciência e tecnologia, educação, biodiversidade, inovação, cooperação e cultura. A Reuters, maior agência internacional de notícias do mundo, disse que as duas líderes enfocaram o encontro em cooperação ambiental, além de discutirem questões para impulsionar o comércio e o investimento. Citou as negociações Mercosul-UE, falando que a Alemanha está interessada em uma negociação com “duas velocidades” e disse que a previsão é que ocorra uma troca de ofertas entre os dois blocos no último trimestre deste ano.

Os principais meios de comunicação alemães destacaram as razões do Brasil ser um parceiro estratégico para a Alemanha. O Die Welt apontou o número importante de empresas alemãs com investimentos no Brasil, a influência que o país pode ter frente à Rússia dentro dos BRICs e o papel fundamental que o país pode representar na redução dos gases de efeito estufa. Já o Deutsche Welle ressaltou os esforços brasileiros para combater o desmatamento. Citou um fundo de 550 milhões de euros que será destinado ao Brasil nos próximos dois anos para apoiar a luta contra o desmatamento e as campanhas de sustentabilidade.

O espanhol El País ressaltou o apoio de Merkel à presidente Dilma Rousseff “em visita relâmpago ao Brasil”. Falou sobre o momento político delicado para as duas líderes, sobre os investimentos em infraestrutura propostos pela presidente brasileira e mencionou que alguns acordos foram assinados.

O norte-americano The Wall Street Journal também enfatizou o compromisso dos dois países com a mudança climática, lembrando que Merkel é a líder da “energia verde”. “Ambos os países enfatizaram ser necessário que todos os envolvidos na discussão do clima tenham a mais alta ambição, no curto e no longo prazo”, evidenciou o jornal, extraindo o trecho da declaração conjunta.

A imprensa nacional deu mais detalhes sobre os acordos assinados nas reuniões bilaterais com os ministros alemães e suas contrapartes brasileiras.

O Portal Brasil ressaltou o acordo para evitar a bitributação na área de transportes marítimos e aéreos. O Jornal Valor Econômico deu mais detalhes sobre os acordos na área de administração de resíduos sólidos urbanos, reutilização de água e reciclagem, bem como projetos de biogás no Brasil com investimentos alemães. O Valor também destacou o compromisso com a mudança climática. Dentro da agenda positiva dos dois países, Dilma Rousseff teria garantido à chanceler que lançará em setembro as novas metas brasileiras para a redução das emissões dos gases do efeito-estufa até 2030.

Também publicou uma matéria apontando que a Alemanha pede mais segurança regulatória para investir no Brasil.

A presença de Merkel, com 12 ministros e vice-ministros, foi usada pelo governo brasileiro como demonstração de confiança alemã, afirmou o Jornal Folha de São Paulo em uma das matérias. Ressaltou igualmente um acordo para o setor de farmacêuticos (transferência de tecnologia e possibilidade de formação e capacitação de profissionais dos laboratórios brasileiros).

A Alemanha é atualmente o quarto maior parceiro comercial do Brasil, atrás de China, Estados Unidos e Argentina. De acordo com o Ministério das Relações Exteriores, o fluxo comercial entre os países – soma entre exportações e importações – chegou a US$ 20,5 bilhões em 2014.