UE e Brasil devem trabalhar juntos para criar um mercado digital comum, defende Associação EUBrasil

10984995_833340946762636_1339092403296617906_nA oportunidade de criar um mercado digital comum entre Brasil e União Europeia (UE) foi a principal mensagem da Associação EUBrasil durante a reunião da Delegação do Parlamento Europeu para as Relações com o Brasil.

Duas outras prioridades também foram apontadas: fomentar o avanço das negociações para obter o acordo de livre comércio entre Mercosul e UE e priorizar discussões bilaterais para encontrar convergências regulatórias.

Brasil e UE devem trabalhar juntos em uma cooperação digital para impulsionar essa relação econômica. Este é um setor essencial para o crescimento da economia do país. Vamos falar sobre o futuro; não podemos esperar mais as negociações entre Mercosul-UE, isso está levando muito tempo, é hora de agir”, disse Luigi Gambardella, presidente da EUBrasil, na quinta-feira (25/06), no Parlamento Europeu (PE), em Bruxelas.

Gambardella foi convidado pelo deputado Paulo Rangel, presidente da Delegação do PE para as Relações com o Brasil, para apresentar os resultados da pesquisa “Promovendo os laços econômicos e financeiros entre o Brasil e a União Europeia”, realizada pela EUBrasil com as principais empresas brasileiras e européias.

Embora o Brasil esteja passando por um período de crescimento econômico lento, ainda existem muitas oportunidades para expandir operações de negócios em diferentes áreas e setores. A UE é o destino número um das exportações e importações do Brasil: 20% das exportações brasileiras vão para a UE, enquanto 21 % das importações brasileiras vêm da UE.

Gambardella também enfatizou que Brasil e UE podem melhorar e progredir com foco em investimento e infraestrutura. “Esta é a chave”, completou.

“Considero muito interessante e relevante termos, no âmbito da nossa delegação parlamentar UE-Brasil, a perspectiva que o setor privado tem das relações entre a União Europeia e o Brasil. Saúdo por isso a iniciativa da associação EUBrasil, esperando que possa continuar a contribuir para um conhecimento mais aprofundado das realidades empresariais das duas regiões”, disse o eurodeputado Paulo Rangel.

Opinião do Setor Privado

As principais conclusões do estudo indicaram que um acordo de livre comércio deve ser prioridade para a Comissão Europeia. As empresas salientaram que a eliminação das tarifas ainda é importante, mas não é mais uma prioridade e que os regulamentos são a principal barreira para o crescimento das empresas.

“O setor privado acredita que a influência política sobre os regulamentos agora é maior nos setores mais sensíveis no Brasil (energia, telecomunicações, etc) e na UE (biocombustíveis, matérias-primas, etc). Os regulamentos agora incorporam critérios políticos ou ideológicos que dão menos peso para os técnicos e científicos”, indicou Gambardella.

Sobre o documento – A pesquisa para o documento “Enhancing economic and financial ties between Brazil and the European Union” foi realizada pela EUBrasil, entre julho e outubro de 2014, com o envio de um questionário às principais empresas com posição estratégica nas relações de comércio e investimento entre Brasil e UE, que foi respondido por 27 delas. O Centro de Estudos de Integração e Desenvolvimento (CINDES) foi o responsável pela compilação das respostas e elaboração do documento final.