São Paulo e Rio de Janeiro já não são os senhores do Brasil, diz Forbes

Rio e São Paulo já não são mais o “centro do universo” no varejo do Brasil: o crescimento da demanda do consumidor está migrando das grandes cidades costeiras para o interior e para o norte, de acordo com um relatório do Boston Consulting Group (BCG).

Durante décadas, São Paulo e Rio de Janeiro foram as duas cidades brasileiras com maior representação na compra de produtos. Porém, de acordo com um artigo publicado pela revista Forbes em 01 de maio, um estudo recente do BCG mostra que a demanda do consumidor não está crescendo tão rápido como antes nestas cidades.

O estudo diz que há uma discrepância entre “onde os principais varejistas do Brasil operam atualmente e de onde o futuro crescimento deverá vir nos próximos cinco anos”, diz a revista.

O boom das commodities ajudou a desenvolver o setor do agronegócio do Brasil, que atraiu empregos com salários altos em cidades do interior, como Ribeirão Preto.

O crescimento da demanda está migrando das grandes cidades costeiras para o interior e norte, onde os investimentos no varejo – de saúde e beleza a mercearias – são mínimos, de acordo com o estudo BCG.

Porém, diz a revista, a demanda não está encolhendo em São Paulo e Rio. Ela só não está crescendo tão rapidamente como em outros estados.

Entre 2010 e 2020, o varejo em São Paulo e no Rio de Janeiro deverá crescer cerca de 27%, chegando a US$ 35 bilhões. A projeção para as cidades do interior é de um crescimento de 47% na década que termina em 2020, chegando a cerca de US$ 60 bilhões, com o consumo total estimado em cerca de por US$ 128 bilhões em todo o país, de acordo com dados do setor citados no relatório.

Encontre o artigo completo aqui.