Aumento das exportações brasileiras é prioridade do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio

Minister Armando Monteiro. Photo: Portal Brasil

Minister Armando Monteiro. Photo: Portal Brasil

O novo ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio (MDIC), Armando Monteiro Neto, planeja anunciar em breve um plano de fortalecimento de um conselho de exportadores brasileiros, compostos pelos maiores grupos empresariais do Brasil.

O ministro Armando Monteiro Neto pretende reforçar a presença do Conselho Nacional da Exportação (Conex) no MDIC, onde estarão representadas as principais cadeias produtivas e entidades empresariais do Brasil. Além disso, o ministro está preparando para lançar, nos próximos 30 dias, um Plano Nacional de Exportações, que vai servir para destacar o potencial de cada estado brasileiro. As declarações foram dadas em entrevista ao website de análises políticas Brasil 247, financiado pelo Partido dos Trabalhadores (PT).

A matéria ressalta que Armando Monteiro assumiu o MDIC num momento em que as exportações voltaram a estar no centro da agenda nacional já que, depois de 14 anos, o Brasil voltou a registrar déficit na balança comercial. O ministro afirma que, com o câmbio atual e os estímulos que estão sendo discutidos para o setor, o Brasil poderá voltar a trabalhar com superávits fortes nos próximos anos. “Precisamos, sim, de incentivos e de uma nova agenda de competitividade para todos os setores exportadores brasileiros”, afirma ele. Armando Monteiro diz que essa política não será em contradição com os ajustes defendidos pelo ministro da Fazenda, Joaquim Levy. “Os ajustes são necessários, todos concordamos com isso, mas não podem ter um efeito paralisante”.

Armando Monteiro Neto afirma ainda que o Brasil deve usar a recuperação econômica dos Estados Unidos como uma oportunidade para o aumento das exportações brasileiras, mas sem deixar de trabalhar com o Mercosul. “Eles (EUA) já saíram da crise, estão sendo beneficiados pela queda nos preços do petróleo e querem claramente fortalecer a relação com o Brasil. Só no ano passado, as exportações brasileiras de máquinas e equipamentos para os EUA cresceram 23%”, afirma o ministro.

Ele ressalta que o MDIC e o Itamaraty vão trabalhar “na mesma sintonia e com o mesmo foco: uma diplomacia de resultados”. Ele afirma que o Brasil não precisa negociar um acordo bilateral de comércio com os Estados Unidos. “As tarifas já são baixas. Precisamos é remover as barreiras não-tarifárias e reestabelecer os laços de confiança”, conclui o ministro.