Comitiva da União Europeia participa de seminário sobre pesquisa e inovação no Tocantins

horizon2020A comitiva formada pelo embaixador da Eslováquia no Brasil, Milan Cigán e representantes da embaixada e da União Europeia chega ao Tocantins nesta quarta-feira, 10. Durante a programação que segue até sexta-feira, 12, a delegação participa de um seminário sobre pesquisa e inovação na quinta-feira, 11, a partir das 8 horas, no auditório da reitoria do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia (IFTO). O encontro tem a intenção de apresentar o novo programa da União Europeia – Horizonte 2020 para a comunidade cientifica e acadêmica do Tocantins. Além disso, irá debater sobre programas e ações promovidos pelo governo.

De acordo com a Secretaria do Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Inovação do Tocantins (Sedecti), o grupo se reúne nesta quarta-feira com o vice-governador do Estado, Tom Lyra, no Palácio Araguaia, a partir das 17 horas.Também participam do evento o chefe do setor de Ciência, Tecnologia e Inovação da Delegação da União Europeia no Brasil, Piero Venturi, representantes das embaixadas da Eslováquia, Espanha, Polônia e Portugal, o secretario da Sedecti, Paulo Massuia, entre outros secretários de Estado.

A Sedecti informou que Massuia e titulares de outras pastas do governo irão apresentar para a delegação as potencialidades econômicas e científicas do Estado e as possibilidades de parcerias com entre o Tocantins e União Europeia, além de assistir apresentações realizadas pelos visitantes.

O encontro é promovido pelo governo do Tocantins, por meio da Secretaria do Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Inovação.

Horizonte 2020
Principal ferramenta da União Europeia para fomentar pesquisa e desenvolvimento tecnológico no continente europeu, o programa Horizonte 2020, também é aberto para a participação de outros países por meio de consórcios e dispõe de um orçamento de 80 bilhões de euros para ser investido no setor de pesquisa e inovação durante um período de sete anos. O programa deve priorizar projetos que valorizam a excelência científica, liderança industrial e desafios sociais.