Especialistas divergem sobre rapidez de fechamento de acordo entre a UE e o Mercosul

O Buenos Aires Herald publica matéria com a opinião de vários especialistas sobre o possível fechamento de um acordo de livre comércio entre o Mercosul e a União Europeia (UE) depois de 15 anos de negociações. Os especialistas ouvidos são provenientes de vários setores do cenário argentino e oferecem opiniões interessantes sobre o assunto.

Boas perspectivas

Aníbal Jozami, reitor da Universidade Tres de Febrebo, disse que um ponto positivo é que boa parte do empresariado de São Paulo e setores do governo brasileiro acredita que os níveis de protecionismo precisam ser baixados em direção a um acordo de livre comércio. Outro especialista, Jorge Castro, secretário de planejamento durante o governo Menem, acredita que a Argentina se adaptou suficiente com sua oferta de listas comerciais a ponto de criar pontos em comum com o resto do Mercosul, aumentando a chance de um acordo.

Nem tão otimistas

Juan Gabriel Tolkian, professor de relações internacionais na Universidade Di Tella, não acredita no fechamento de um acordo num futuro próximo. Tolkian acredita que os dois lados estão cansados de 14 anos de negociações e que os principais obstáculos são os protecionismos argentino e brasileiro, já que o acadêmico aponta uma vontade brasileira de proteger seus setores produtivos. Tolkian acreditam também que um acordo de livre comércio com os Estados Unidos é mais atraente para a UE no momento atual.

Fonte: Buenos Aires Herald