Relações econômicas entre Brasil e UE vão se intensificar com Azevêdo no comando da OMC, avalia embaixadora

Rio de Janeiro – As relações econômicas e comerciais entre a União Europeia (UE) e o Brasil têm evoluído de forma “muito positiva” e deverão ganhar reforço com a eleição do brasileiro Roberto Azevêdo para a direção-geral da Organização Mundial do Comércio (OMC), avalia a embaixadora Ana Paula Zacarias, chefe da delegação da UE no Brasil.

Ela participou no Rio de Janeiro de evento promovido pelo Centro de Relações Internacionais da Fundação Getulio Vargas, em parceria com a Fundação Konrad Adenauer e o Colégio de Defesa da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan).

A União Europeia continua sendo o maior investidor no Brasil, é o maior bloco que faz comércio com o país e apresenta elevado número de empresas instaladas há muitos anos no território brasileiro e inseridas, inclusive, no seu âmbito social, que introduzem inovações, conhecimento e tecnologias, destacou Ana Paula. “Do ponto de vista econômico, o relacionamento é bastante positivo”, disse, em entrevista à Agência Brasil.

A embaixadora externou, porém, a preocupação dos países europeus em relação a aspectos da política que o governo brasileiro vem implementando para proteger a indústria nacional. “É uma preocupação de princípio em relação às regras do livre comércio. Essas questões vêm sendo discutidas e resolvidas em mais de 30 diálogos setoriais da UE com o Brasil, sempre com grande abertura e transparência”, declarou.

Sobre a escolha do embaixador brasileiro Roberto Azevêdo para o comando da OMC, Ana Paula citou a declaração feita hoje, em Bruxelas, na Bélgica, pelo comissário europeu de Comércio, Karel De Gucht, que “uma OMC forte requer um diretor-geral forte”. Para a chefe da delegação da UE no Brasil, isso diz tudo. “O embaixador Roberto Azevêdo é este diretor-geral”.

Ela reforçou a disposição do bloco europeu de trabalhar e dialogar com Azevêdo para encontrar soluções no quadro de negociações multilaterais. Apesar de as negociações estarem em uma fase difícil, Ana Paula acredita que Azevêdo possa “dar um novo ímpeto a essas negociações que estão em curso, sobretudo as negociações em Bali, na nova rodada ministerial, que é importante no quadro da OMC”.

A Reunião Ministerial de Bali, na Indonésia, está programada para dezembro deste ano. Existe a possibilidade de retomada da Rodada Doha, iniciada em 2001 no Catar e suspensa desde meados de 2008, em função da falta de consenso entre os países negociadores. A Rodada Doha, também conhecida como Rodada do Desenvolvimento, é uma mesa de negociação entre mais de 100 países em busca de acordos que favoreçam a liberalização econômica.

Ana Paula Zacarias ressaltou os valores de base que unem o Brasil e a União Europeia. Entre eles, a defesa dos direitos humanos, da democracia, da justiça social e do desenvolvimento sustentável e o Estado de Direito. “São elementos fundamentais no quadro das relações da União Europeia com o Brasil e que vão além das questões econômicas, que também são fortíssimas”.

Para a embaixadora, esses elementos de integração fortalecem os países europeus e o Brasil para enfrentar os desafios globais, que incluem, por exemplo, as alterações climáticas e o novo modelo mundial para as questões do desenvolvimento sustentado em consonância com os objetivos do milênio estabelecidos pela Organização das Nações Unidas (ONU) para uma agenda pós-2015. Essa agenda, destacou Ana Paula, engloba desafios sociais, econômicos e ambientais. “Aí, a União Europeia e o Brasil têm tido um trabalho conjunto interessante que eu espero continue para o futuro”.

Os dois blocos estão iniciando também um trabalho importante nas áreas da segurança e da defesa, além do tráfico de pessoas e de drogas, disse a embaixadora. “São temas que nos interessam mutuamente, porque são também um desafio que nós teremos que enfrentar no futuro. Tudo isso são agendas bastante amplas que o Brasil e União Europeia vêm discutindo no quadro de sua parceria estratégica”, completou.

Fonte: Agência Brasil